terça-feira, 12 de novembro de 2013

Doação de Medula Óssea


Passo a passo para se tornar um doador

- Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde poderá doar medula óssea. Esta é retirada do interior de ossos da bacia, por meio de punções, sob anestesia, e se recompõe em apenas 15 dias.

- Os doadores preenchem um formulário com dados pessoais e é coletada uma amostra de sangue com 5 a 10ml para testes. Estes testes determinam as características genéticas que são necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente.

- Os dados pessoais e os resultados dos testes são armazenados em um sistema informatizado que realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante.

- Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é então chamado para exames complementares e para realizar a doação.

- Tudo seria muito simples e fácil, se não fosse o problema da compatibilidade entre as células do doador e do receptor. A chance de encontrar uma medula compatível é, em média, de UMA EM CEM MIL!

- Por isso, são organizados Registros de Doadores Voluntários de Medula Óssea, cuja função é cadastrar pessoas dispostas a doar. Quando um paciente necessita de transplante e não possui um doador na família, esse cadastro é consultado. Se for encontrado um doador compatível, ele será convidado a fazer a doação.

- Para o doador, a doação será apenas um incômodo passageiro. Para o doente, será a diferença entre a vida e a morte.

- A doação de medula óssea é um gesto de solidariedade e de amor ao próximo.

- É muito importante que sejam mantidos atualizados os dados cadastrais para facilitar e agilizar a chamada do doador no momento exato.

Caso você decida doar

1. Você precisa ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante). Lembre-se que uma vez no cadastro, poderá ser chamado, se identificado como compatível com algum paciente, até os 60 anos.

2. Onde e quando doar
É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos Hemocentros nos estados
3. Como é feita a doação

Será retirada por sua veia uma pequena quantidade de sangue (5 a 10ml) e preenchida uma ficha com informações pessoais.

Seu sangue será tipificado por exame de histocompatibilidade (HLA), que é um teste de laboratório para identificar suas características genéticas que podem influenciar no transplante. Seu tipo de HLA será incluído no cadastro. Os resultados são confidenciais e servem apenas para os fins do REDOME.

Seus dados serão cruzados com os dos pacientes que precisam de transplante de medula óssea constantemente. Se você for compatível com algum paciente, outros exames de sangue serão necessários.

Se a compatibilidade for confirmada, você será consultado para confirmar que deseja realizar a doação. Seu atual estado de saúde será avaliado.

A doação é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação por um mínimo de 24 horas. Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana.

Existe uma outra forma de obtenção das células-tronco da medula óssea, que utiliza uma máquina específica (aférese) para separar do sangue periférico (corrente sanguínea), as células necessárias para o transplante. Neste caso, o doador tem que receber um medicamento antes da doação (fator de crescimento), que estimula a medula óssea a liberar estas células para a corrente sanguínea. Esta técnica só é utilizada em casos específicos, sob decisão médica e com consentimento do doador. 


Importante

Um doador de medula óssea deve manter seu cadastro atualizado sempre que possível. 

O Transplante de Medula Óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e outras doenças do sangue e do sistema imune.

Saúde amplia para 69 anos idade máxima para doação de sangue



Atual faixa etária para doação é de 16 a 67 anos, de acordo com governo


O Ministério da Saúde ampliou para 69 anos a idade máxima para doação de sangue no Brasil, o que amplia em dois milhões o público potencial de doadores. A atual faixa etária para doação é de 16 anos a 67 anos. Países como EUA, França e Espanha já trabalham com a faixa etária de até 69 anos.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, também assinou nesta terça-feira (12), em Brasília, portaria que torna obrigatória a realização do teste NAT (teste de ácido nucleico) em todas as bolsas de sangue coletadas no País.

Atualmente, são coletadas no Brasil 3,6 milhões de bolsas por ano, o que corresponde ao índice de 1,8%. Embora o percentual esteja dentro dos parâmetros da OMS, o Ministério da Saúde trabalha para chegar ao índice de 3%.

Em 2012, o Ministério da Saúde reduziu a idade mínima para doação de 18 para 16 anos (com autorização do responsável). Com a expansão das idades mínima e máxima dos doadores, houve a abertura para 8,7 milhões novos voluntários.

— A qualidade da rede de sangue brasileira já é reconhecida internacionalmente. A implantação do teste NAT e o questionário (aplicado nos hemocentros aos doadores) complementam o controle do sangue doado, por meio de testes já realizados no SUS.

De acordo com o ministro, a totalidade do sangue coletado na rede pública já é testada pelo NAT. Durante o evento, Padilha anunciou que a Fiocruz desenvolve tecnologia para detecção da hepatite B no teste NAT com previsão de uso a partir do segundo semestre de 2014.

O SUS (Sistema Único de Saúde) oferta, desde a década de 90, os testes para detecção dos vírus das hepatites B e C, HIV, Doenças de Chagas, Sífilis e Malária (na Região Norte). O teste NAT será realizado de forma adicional (para detecção de HIV e hepatite tipo C) somado aos exames de sorologia que continuarão sendo aplicados. O Ministério da Saúde também distribui vacina para prevenção da hepatite B.

domingo, 18 de agosto de 2013

Se essa rua fosse minha!!!

Fonte: AQUI

O mundo precisa de mais!!!!



Chegou a hora dos ativistas de sofá! Em 19 de agosto é celebrado o Dia Mundial da Ação Humanitária, e para ajudar as pessoas que passam necessidade em todo o mundo, a Organização das Nações Unidas (ONU) lançou nesta sexta-feira, 16 de agosto, a campanha O mundo precisa de mais… nas redes sociais.

O objetivo? Transformar as palavras das pessoas em realidade. Em 2012, a comunidade humanitária atingiu mais de um bilhão de pessoas no mundo por meio da campanha Eu estive aqui. Um ano depois, a meta da organização é “aproveitar esta incrível expressão de boa vontade em nível global e fazer algo que nunca foi feito antes”.

“Nós sabemos que as necessidades humanitárias estão crescendo e, se formos atender a essas necessidades crescentes, temos de fazer as coisas de forma diferente”, declarou a chefe humanitária da ONU, Valerie Amos.

Os fundos arrecadados por meio da campanha irão para esforços de ajuda em lugares como Iêmen, Haiti e Afeganistão – países com grandes necessidades humanitárias que saíram do radar internacional, segundo a ONU.

Como posso ajudar?

Para ajudar, antes de qualquer coisa é importante conhecer o site da campanha. Lá é possível ficar por dentro do assunto por meio de vídeos com pessoas envolvidas no caso, com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon e a cantora Beyoncé, e encontrar perguntas e respostas, a exemplo de “Como transformaremos as palavras nas redes sociais em favor das populações vulneráveis?” e “Para onde será destinado o dinheiro?”

O segundo passo é saber quais as palavras as empresas parceiras da campanha escolheram para patrocinar a ação. Cada vez que uma pessoa compartilha uma palavra patrocinada via Twitter, usando a estrutura #theworldneedsmore #[palavra], ela desbloqueia um dólar do patrocínio e também receberá uma mensagem dizendo que a empresa patrocinou a palavra.

Na data de celebração do Dia, serão realizados eventos comemorativos e o lançamento oficial da iniciativa em Nova York, Rio de Janeiro, Dubai e Nairóbi.

Fonte: Eco D

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Evitando a falta de água no futuro.






No banho, feche a torneira enquanto estiver se ensaboando. Uma ducha de 15 minutos, com torneira aberta, gasta cerca de 240 litros de água.








Lave o carro com balde ao invés de mangueira. São necessários cerca de 230 litros de água para lavar um carro com mangueira.







Molhe as plantas com regador quando o calor estiver menos intenso. Gasta-se aproximadamente 260 litros de água para regar um jardim durante 15 minutos.






Encha o lavatório de água quando for fazer a barba em vez de deixar a torneira aberta.









Junte sempre o máximo de roupas para por na máquina. Cada lavagem gasta cerca de 100 litros de água.







Elimine os vazamentos, troque ou conserte torneira pingando.





sábado, 10 de agosto de 2013

Reciclando....

Encontre AQUI!

Maneiras simples de aproveitar comida



A alteração dos hábitos e o aumento do consumo da população traduziu-se num crescente aumento da quantidade de resíduos produzida diariamente. Grande parte destes resíduos é composta por alimentos que são desperdiçados durante as várias fases que vão desde a sua aquisição ao consumo propriamente dito. Ou porque se esqueceu deles e se estragaram (ou passou o prazo de validade), ou porque “sobraram” da preparação das refeições (talos, cascas, etc.), ou porque calculou mal as quantidades do almoço de Domingo …


São várias as razões que pode melhorar na gestão familiar para não desperdiçar alimentos em bom estado ou que podem ser habilmente aproveitados e, consequentemente, não desperdiçar dinheiro.




Organizar e planejar


1. Inspecione a despensa e a geladeira e consuma primeiro os produtos com prazo de validade mais próximo ou que se estraguem mais rapidamente.
2. Planeje as refeições semanalmente para saber o que têm em casa e o que realmente lhe faz falta.
3. Elabore uma lista e compre apenas o que necessita.
4. Mantenha alguns alimentos básicos na despensa, geladeira e o freezer com os básicos indispensáveis.


Guardar


5. Depois de abrir uma embalagem de alimentos secos (cereais, arroz, farinha, bolachas, etc.) feche-a devidamente ou transferira o conteúdo que sobrou para frascos, latas ou caixas com tampa.
6. No caso das latas de feijão ou atum, coloque o que sobrou num recipiente e guarde na geladeira ou freezer.
7. Guarde as frutas e vegetais na geladeira para que durem mais tempo.
8. Guarde batatas, alhos e cebolas em locais escuros e frescos para que não sequem ou apodreçam.
9. Siga as regras de armazenamento presentes nos rótulos dos produtos e verifique a validade.

10. Congele alimentos e sobras de comida para prolongar o tempo de conservação.
11. Coloque uma folha de papel na gaveta dos legumes da geladeira para que absorva a umidade em excesso e não estrague os alimentos.
12. Retire todo o ar do saco de plástico onde tem o pão e feche muito bem para que, sem ar, o pão dure mais dias.
13. Coloque a alface, couve, espinafres ou hortaliça com os pés dentro de uma bacia com água dentro da geladeira para manterem a frescura e as folhas viçosas.
14. Coloque as bananas à temperatura ambiente e longe das outras frutas para que não amadureçam muito depressa. 

Preparar


15. Utilize um espremedor de laranjas para maximizar a quantidade de sumo extraída sem perder gota.
16. Congele molhos e caldos em recipientes para usar facilmente posteriormente por doses.
17. Lave, corte e prepare alimentos como brócolis, ervilhas, cenouras, cebolas, alho, ervas aromáticas, espinafres, frutos silvestres, etc. e coloque no congelador em sacos bem fechados.
18. Aproveite os alimentos da época como a fruta e o tomate na preparação de doces e compotas.
19. Seque frutos da época como uvas, ameixas e alperces e guarde em sacos herméticos no congelador.
20. Faça picles com pepinos, cenoura, couve-flor, etc.
21. Adira à conserva de legumes. Uma técnica muito utilizada em países europeus .
22. Prepare uma refeição pensando na próxima. Por exemplo almoce cozido à portuguesa e jante empadão ou empadas de carne.
23. Congele o pão que não comeu. Quando precisar é só colocar uns segundos no microondas envolto num pano para ter pão “fresco”.
24. Se os tomates estiverem maduros de mais utilize-os frescos para base de molhos ou estufados ou seque-os no forno e guarde em azeite no frigorífico para usar posteriormente.
25. Para impedir que a banana da salada de fruta fique escura, coloque-a em água muito quente durante 15 segundos antes de descascar, deixe esfriar e depois retire a casca. A casca vai ficar escura, mas a polpa permanece sem escurecer.

26. Confeccione saladas ou espetadas de fruta. Os seus filhos vão adorar.
27. Faça tortas de legumes que pode levar ao forno para comer no próprio dia ou congelar para comer mais tarde.
28. Seque ervas aromáticas pendurando-as pelo caule num local escuro e seco.
29. Retire o queijo da embalagem de compra e envolva-o em papel de alumínio para que permaneça mais fresco.
30. Para evitar sobras, calcule as proporções de alimentos que necessita para preparar as refeições de acordo com o número de pessoas à mesa. 

Aproveitar


31. Pode salvar o conteúdo dos ovos partidos misturando as gemas e as claras e congelando a mistura em bandejas de gelo (2 cubos equivalem a um ovo).
32. Utilize os talos de brócolos, couve ou de outros vegetais para preparar a base da sopa.
33. Liquidifique frutas e vegetais muito maduros e que já não vai comer para preparar sumos, batidos, molhos, etc.
34. Rale pão seco para fazer pão-ralado caseiro.
35. Utilize as sobras de carne para fazer empadão e pratos com carne picada.
36. Faça caldos de legumes caseiros fervendo as extremidades de cebola, cenoura, aipo, pimento, etc. que deve ir guardando no frigorífico.
37. Aproveite as frutas maduras para fazer doces . 
38. Utilize as sobras de frango cozido ou assado para fazer saladas ou sanduíches de frango.
39. Corte, leve ao fogo com um fio de azeite, alho e ervas aromáticas o pão do dia anterior para fazer torradas, que pode também congelar.
40. Junte os pequenos pedaços de massas partidas ao arroz ou a mistura de vegetais.
41. Adicione as migalhas de bolachas ou o fundo das embalagens de cereais a um iogurte para um lanche saudável.

42. Ferva os ossos de frango para preparar caldos de galinha caseiros.
43. Utilize as aparas e sobras de queijo para preparar pratos de massa com queijo ou ralar para coberturas de refeições gratinadas.
44. Congele chá ou café sobrado em bandejas de gelo para adicionar posteriormente para esfriar chá ou café quente.
45. Congele iogurte nos recipientes com pauzinhos usados para os gelados caseiros.
46. Faça pão-ralado parmesão para coberturas de gratinados e polme para fritos utilizando aparas de queijo parmesão e crostas de pão ou pão duro.
47. Utilize a água do cozido para fazer uma sopa.
48. Frite as cascas de batatas bem lavadas em azeite, alho e ervas. Uma saborosa e original entrada.
49. Coloque os grumos de açúcar ou o mel cristalizado durante 30 segundos no microondas para voltar ao estado normal. Em alternativa e apenas para o caso do mel pode deixar em banho-maria durante uns minutos até liquefazer. 

Reciclar



50. … Quando não conseguir pensar em mais nada que possa fazer para aproveitar os alimentos faça compostagem. Pelo menos podem ser aproveitados para produzir um fertilizante natural.









quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Em busca de uma vida mais verde...



Desperdice menos alimentos. 

 Por de trás dos alimentos que adquirimos diariamente nos supermercados está a utilização de inúmeros recursos, custos de transporte e elevados níveis de poluição. Evite desperdiçar alimentos, comprando apenas aquilo que vai realmente consumir, sempre com a menor quantidade de embalagem possível e, de preferência, orgânico.





Consuma menos carne.

Sabia que a produção de bife em todo o mundo contribui mais para as alterações climáticas do que o setor dos transportes? Para além disso, quando comparada às plantas, a produção de carne de porco e de frango também contribui, em larga escala, para os níveis de poluição e para as emissões de dióxido de carbono.


Alimentação local.


Transportar elementos do local onde foram produzidos ou criados, até ao sítio onde são processados e embalados e depois até ao supermercado tem custos ambientais extremamente prejudiciais. Ao escolher produtos locais, irá não só reduzir a sua pegada de carbono – com a redução dos custos de transporte – como também irá apoiar os produtores locais, em vez de as grandes corporações. Procure adquirir sempre alimentos biológicos, locais e na sua época própria (alimentos não sazonais têm custos adicionais, financeiros e ambientais).


Conduza menos.

Trabalhe em casa, faça car pooling (os colegas de trabalho levam alternadamente o carro para o escritório dando boleia aos restantes); quando sai trate do maior número de assuntos possível; mude de casa para uma localização mais próxima do trabalho e de todas as restantes infraestruturas/serviços de que necessita; ande a pé, de transportes públicos ou de bicicleta. Não é fácil reduzir a condução, mas se for ecologicamente consciente, pode fazer alterações significativas um pouco de cada vez. Para além disso, é muito mais saudável andar a pé ou de bicicleta.


Viaje menos. 




Viajar de avião é um dos grandes responsáveis pela produção excessiva de dióxido de carbono e pelas alterações climáticas no mundo. Antes de apanhar um avião, pense duas vezes: faça vídeo-conferências, goze férias no seu país ou vá para fora de comboio.




Compre menos coisas. 

Adquirir muitas coisas de forma contínua é um desperdício – cada objeto requer uma quantidade exorbitante de recursos para ser produzido e levado até ao consumidor, para não falar na forma negativa como contribuem para as alterações climáticas. Tente reduzir a quantidade de coisas que adquire, ou seja, antes de comprar veja se pode pedir emprestado a alguém, se pode alugar, se pode reciclar o que tem, se pode fazer o que precisa com as suas próprias mãos ou simplesmente tente viver sem ela. Muitas vezes, só depois de adquirimos algo é que vemos a sua inutilidade, por isso, comece a inverter mais vezes o processo.


Compre usado.



Ao adquirir objetos em segunda mão, evita a compra de produtos novos e, consequentemente, todos os recursos que foram gastos na sua produção e transporte. Para além disso, ao comprar algo usado vai aumentar a esperança de vida desse objeto e pode ser muito divertido andar à “caça de tesouros” em lojas vintage, livrarias de segunda mão, feiras de antiguidades ou até mesmo no eBay.





Uma casa mais pequena.

É claro que, por mais que queira reduzir a sua pegada de carbono, não é de hoje para amanhã que pode mudar-se para uma casa mais pequena; no entanto, é algo em que pode pensar na próxima vez que tiver de fazer mudanças ou se decidir adquirir uma casa própria. Porquê? Porque uma casa mais pequena precisa de menos recursos para ser edificada, requer menos energia, água e aquecimento, ou seja, acaba por produzir menos dióxido de carbono.


Gaste menos energia. 

Mesmo com a eficiência energética que advém de habitar numa casa mais pequena, continuam a existir muitas formas de poupar energia em casa: baixe a temperatura da caldeira, do aquecimento central e do ar condicionado; desligue as luzes sempre que sair de uma divisão; não deixe os eletrodomésticos em standby, nem os carregadores dos telemóveis nas tomadas; pendure a roupa ao ar livre em vez de utilizar a máquina de secar; troque as lâmpadas tradicionais por lâmpadas ecológicas…



Gaste menos água.



É tão fácil reduzir a sua pegada de carbono através da poupança de água: basta não deixar a água a correr enquanto lava as mãos, os dentes ou a loiça; evitar banhos de imersão e tomar duches rápidos; aproveitar a água da chuva para regar o jardim ou lavar o carro; instalar redutores de fluxo de água em todas as torneiras e chuveiros; pôr as máquinas de lavar louça e de roupa a trabalhar apenas com a carga máxima…



Poupe papel.

Deixe de ser uma daquelas pessoas que tem de imprimir e arquivar tudo – crie ficheiros de arquivo digitais e imprima apenas o essencial; deixe de receber os extratos bancários e contas diversas por correio e prefira consultar tudo isso online. Em vez de enviar um fax, envie um e-mail. Leia as suas revistas e jornais preferidos na Internet em vez de os comprar. Recicle todo o papel que consumir, aproveitando folhas com um dos lados livre para fazer blocos de notas. 



Adote um estilo de vida vegetariano ou vegan.


Embora não seja completamente indispensável, é uma boa forma de reduzir a sua pegada de carbono. Ao contrário do que muitas pessoas possam pensar, uma dieta alimentar vegetariana ou vegan pode ser deliciosa e saciante, para além de ser muito saudável – tem menos gordura e calorias, por exemplo. Acima de tudo, abdicar de carne, ovos e laticínios significa não contribuir para o crescimento de corporações que têm um impacto ambiental negativo.



Sugestões de como reduzir a pegada de carbono nas atividades diárias


Na rua

Na hora de comprar um veículo, prefira os que vêm com a opção flex fuel, abastecer com etanol é menos prejudicial ao ambiente. Quanto maior e mais potente o motor do carro, mais ele irá consumir e poluir.

Faça regulagem periódica do veículo e prefira lavagem a seco (algumas opções são mais baratas que a tradicional usando água).

Não jogue lixo na rua.



Em casa

Aproveite a luz do sol para iluminar a casa, abra bem as janelas e cortinas.

Use o aparelho de ar-condicionado de maneira racional: com portas e janelas fechadas e os filtros regularmente limpos.

Cuidado para não esquecer o carregador do celular ligado na tomada.

Prefira água filtrada à engarrafada, que exige transporte por veículos a diesel.

Utilize recipientes reutilizáveis, como as bombonas de 10 e 20 litros, ao invés de garrafas descartáveis de plástico. Na composição do plástico exitem elementos derivados do petróleo.

Não seque roupas atrás da geladeira, isso aumenta consideravelmente o consumo de energia. O varal tradicional é sempre mais indicado que a secadora.

Use restos de alimentos como adubo orgânico nos vasos de flores ou plantas.

Realize transações bancárias pela internet – economize o tempo e combustível do deslocamento.

Procure fazer compras nos mercados próximos a sua casa, onde pode ir a pé. E aproveite para levar a sua própria sacola, reduzindo o consumo de plástico.

Opte por produtos locais e da estação, que não precisam ser transportados por longas distâncias.

Prefira produtos duráveis aos descartáveis, esse é o pontapé inicial para reduzir a quantidade de lixo gerado no mundo.

Reserve o óleo de fritura em garrafas PET e depois encaminhe para alguma entidade que possa reaproveitá-lo.

Adote o uso de pilhas e baterias recarregáveis. As descartáveis devem ser entregues em postos de coleta, jamais jogadas no lixo comum.


No trabalho


Desligue equipamentos quando não os estiver usando.

Desabilite a proteção de tela do computador, que gera um consumo desnecessário de energia.

Imprima com responsabilidade.

Recicle material do escritório; adote o uso de papel ecoeficiente ou reciclado e aproveite os dois lados das folhas de papel.

Tente resolver questões por telefone, ao invés de pegar trânsito para ir e voltar a reuniões rápidas.

Se puder escolher, prefira notebook ao computador de mesa para economizar energia. No caso de só ter o PC, tente mudar o monitor por um de LCD.

Tenha a sua própria caneca, para evitar desperdício de copinhos de água e café.

Contrate bikeboy, ao invés de motoboy. É mais barato e menos poluente.

Use mídias regraváveis, drives USB e o e-mail. Estes meios são mais indicados do que os CDS e DVDs tradicionais feitos de plástico.


Na vida pessoal

Evite trocar o celular por puro impulso e, quando o fizer, deixe seu modelo antigo na revendedora para reciclagem.

Prefira a escada ao elevador para subir poucos andares.

Ao fazer aplicações bancárias, escolha investimentos socialmente responsáveis.

Plante árvores, o que continua sendo um bom gesto de preocupação com o meio ambiente. Hoje éo na terra, por sites na internet como o Clickarvore.

Pratique ações voluntárias

Divulgue para todas as pessoas do seu convívio a necessidade de se adotar atitudes social e ambientalmente corretas.


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Pegada de Carbono



Pegada de carbono é a medida do impacto das atividades humanas sobre as emissões de gases do efeito estufa, ou seja, condiz com a quantidade de dióxido de carbono equivalente liberada na realização de cada atividade.

O ciclo de vida de um produto pode ser usado como exemplo. Durante a fabricação, várias etapas liberam gases do efeito estufa, como a extração e o transporte das matérias-primas, a energia utilizada, o transporte do próprio produto, a estocagem (pode incluir câmaras frias) e finalmente a disposição (em lixões, aterros sanitários ou incineradores).

Saiba como agir para reduzir sua pegada de carbono

Uma das iniciativas mais eficazes para reduzir a pegada de carbono é diminuir a dependência de combustíveis fósseis que, quando queimados, emitem toneladas de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. Outro fator importante é a economia de energia elétrica. Além de reduzir os custos com a conta de luz no fim do mês, essa ação colabora com os esforços globais de mitigação dos impactos do desenvolvimento humano sobre os recursos naturais.


quarta-feira, 1 de maio de 2013

Já falei outras vezes aqui sobre reciclagem, inclusive expus algumas ideias AQUI e AQUI, mas recebi vários e-mails pedindo mais algumas dicas. Nesse site (Ciclo Vivo) encontrei várias formas de reciclagem com garrafa PET.

Mas hoje a ênfase vai para o artesanato com potes de sorvete!
Vejam essa linda lixeira de mesa, ou porta trecos, ou porta-jóias, como queiram.





Então, vamos fazer?

Você vai Precisar de:


• Pote de sorvete vazio e limpo (de 1kg ou 500g)
• Tesoura
• Artigos para a decoração do pote

Pegue a tampa do pote, e recorte três lados de um retângulo bem ao centro. Este recorte servirá como uma tampa que fica parcialmente fechada para a lixeirinha. Amoleça um pouco a tampa, dobrando-a algumas vezes, flexionando para cima e para baixo, até que ela esteja amolecida.



Separe o material que você preferir para decoração do corpo do pote – você pode usar decoupagem (a aplicação de imagens de papel para outra superfície – você pode encontrar boas dicas dessa técnica no youtube), se tiver um pouco mais de prática; tintas para plástico ou colas coloridas, apliques de papel ou EVA (o que requer aplicação com cola quente, e uma certa prática no recorte do material); ou simplesmente encapar o pote com um material da sua preferência: tecido, papel crepom trabalhado em cola, fitas de cetim e similares – o mais aconselhável para estas técnicas é, também, a fixação com cola quente, o que evita que parte do material descole, e prejudique o efeito final do trabalho.

Decore o pote e a tampa no mesmo padrão, ou padrões complementares, e aguarde a secagem, caso seja necessário. Para ter mais praticidade e evitar acidentes, sempre é bom colocar um saquinho de lixo dentro do pote antes de utilizá-lo.

Agora, é só recolocar a tampa, com a tampinha móvel feita com a tesoura, e usar sua nova lixeira!

Dependendo do material usado para decoração, a lixeira de pote de sorvete pode ser usada em mesinhas de estudo, escrivaninhas, quartos, ou mesmo como lixeira para a pia.



Outra forma de usar esses potinhos são como vasinhos para plantas – mas, nesse caso, a decoração deve ser mais resistente: dê preferência a materiais duráveis, ou tintas aplicadas diretamente no pote.

Uma dica de reciclagem que ajuda na organização da casa!

Encontrei essa e outras dicas AQUI, AQUI e AQUI.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

E a sua pele como está?

Fiquei eufórica com essa matéria que li no Vila Mulher. Logo eu que visito tanto meu Dermatologista! 

Receita milagrosa com produtinhos populares
RECEITA CASEIRA COM HIPOGLÓS + BEPANTOL

Quem procura uma receita caseira que melhore o estado da pele do rosto pode comemorar. Seja para hidratar, tirar espinhas, diminuir olheiras ou mesmo clarear manchas, existe sempre um método mais barato, acessível, fácil e que pode dar super certo para sua pele! Não custa tentar.


Não é só o Bepantol que faz sucesso entre as mulheres. Outra pomadinha milagrosa está dando o que falar. A famosa Hipoglós tem sido testada por muitas blogueiras brasileiras, que confirmam seus inúmeros benefícios: as espinhas somem, as olheiras diminuem, a pele clareia, fica mais hidratada...será?

É claro que as receitinhas caseiras nem sempre funcionam para todos os casos, pois cada mulher possui um tipo de pele do rosto diferente.

Mas no geral, nota-se que algumas dessasreceitas produzem um resultado muitas vezes melhor que cremes mais caros e/ou importados! Uma dica muito bacana vem da apresentadora Glória Maria, que em entrevista ao canal GNT revelou sua receitinha milagrosa recomendada por ninguém mais ninguém menos que o cirurgião mais famoso do Brasil, Ivo Pintanguy: é o trio Bepantol-Hipoglós-Arovit.

Misture um pouquinho do creme Bepantol, um pouquinho da pomada Hipoglós e pingue uma gotinhas de Arovit. O Bepantol, segundo a apresentadora, ajuda a tirar manchas, a Hipoglós hidrata e a Arovit (que nada mais é que vitamina A) ajuda a dar viço.

Se possível acrescente gotinhas de vitamina E, que também ajuda a restaurar a pele facial.
A mistura deve ser eficaz por contas dos complexos vitamínicos na composição desses produtos. Vale a pena experimentar, não?

Fonte:http://vilamulher.terra.com.br (Por Jessica Moraes)

quinta-feira, 28 de março de 2013

Você precisa comer mais peixe (e não apenas na Páscoa)




Os peixes são alimentos muito saudáveis, trazendo inúmeros benefícios para a saúde. Apesar de o seu consumo ser mais comum na época da páscoa, quando muitas famílias escolhem não consumir carne, os peixes são essenciais para uma dieta balanceada.

Os peixes são tão benéficos por serem fonte de nutrientes como proteínas, fósforo, iodo, cobalto, cálcio, e vitaminas A, D, E e do complexo B. De acordo com a nutricionista Adriana Zupo Domeneghetti, as vantagens do consumo do peixe vão ainda além. "O principal benefício diz respeito ao coração. Ricos em ômega-3, os pescados ajudam a controlar os níveis de triglicerídeos e a pressão sanguínea. Este nutriente ainda atua no mecanismo de coagulação sanguínea, na regulação no ritmo cardíaco e controla a agregação plaquetária nas artérias, evitando o entupimento das mesmas”. Os peixes que contém maiores quantidades de ômega-3 são os de água fria, como arenque, cavala, salmão e atum.

O peixe favorito para a páscoa é o bacalhau, mas vale alertar que ele não é tão saudável. “Diferente de outros peixes, as espécies usadas no preparo do bacalhau armazenam a gordura benéfica nas vísceras, parte que não costuma ser consumida. Logo, seu consumo não traz benefícios. Pelo contrario, como possui altos teores de purinas e de sódio comer muito bacalhau pode elevar o ácido úrico”. Devido a isso o consumo do bacalhau deve ser moderado e outras espécies devem ser favorecidas.

Para que o preparo dos peixes não faça com que os benefícios trazidos pelo alimento se percam, o ideal é evitar as frituras. Elas causam o aumento do nível de gorduras ruins, podendo prejudicar o coração. O preparo do peixe no forno é ideal.

Fonte:www.boasaude.com.br

domingo, 3 de fevereiro de 2013

O que bactérias estão fazendo nas nuvens?




De acordo com um novo estudo, publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, microorganismos encontrados nas nuvens provavelmente desempenham um papel em sua formação e na ocorrência de chuva. O trabalho altera a visão de cientistas de como eles se espalham pelo mundo, e segue outros estudos que descobriram a existência disseminada de bactérias na baixa atmosfera.

Isto é importante por três razões, comenta o Climate Central. Primeiro, partículas como poeira e microorganismos têm um papel como blocos de construção de nuvens, servindo ao que cientistas se referem como núcleos de condensação. Basicamente, são as partículas em torno das quais se formam gotas de água ou cristais de gelo para formar uma nuvem e, eventualmente, precipitação.

Segundo, o estudo implica que bactérias podem viajar a grandes distâncias em ventos de altas altitudes. Isto significa que elas podem estar em uma tempestade de areia da África, cruzarem o Atlântico e serem depositadas no solo dos EUA. Isto tem implicações significativas sobre como as bactérias se distribuem mundialmente, e pode oferecer pistas sobre o modo de disseminação de algumas doenças.

Finalmente, uma das maiores fontes de incerteza das projeções da mudança do clima é como as nuvens irão mudar em composição e abundância com o aquecimento global. Alguns tipos de nuvens ajudam a esquentar o planeta, e outras podem resfriá-lo refletindo a luz solar. Este estudo sugere que os efeitos das bactérias também precisam ser considerados nos cálculos da ciência do clima.

Cientistas coletaram amostras de micróbios que caem na Terra como neve e chuva, e que flutuam nos céus acima de populações humanas, costas, o rio Amazonas e topos de montanhas. Mas muitas partes do mundo ainda não tinham sido mapeadas. Agora, uma equipe que tinha como seus membros Terry Lathem e Natasha DeLeon-Rodriguez, da Universidade da Georgia, tirou amostras da alta atmosfera sobre os oceanos.

A equipe coletou amostras não apenas de dois furacões no Atlântico, como das nuvens em torno deles, e de céus limpos sobre o oceano, a costa da Califórnia e outras locais nos EUA. Na média, as amostras tinham de 5.000 a 150.000 células microbiais a cada metro cúbico.

O mesmo volume de solo ou água do mar conteria dezenas ou centenas de milhões de micróbios, e não surpreende que as comunidades no ar sejam mais esparsas. Mas no alto as células vivas respondem por 20% de todas as partículas microscópicas, uma proporção muito maior que em qualquer outro lugar, informa a National Geographic.

OMS emite novas orientações para consumo diário de sal e potássio




A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou novas orientações para o consumo de sal e potássio por adultos e crianças.

Os relatórios sugerem que adultos devem reduzir a ingestão de sal para menos de 2 mil mg e aumentar o consumo de potássio para pelo menos 3.510 mg por dia.

Pessoas com níveis elevados de sódio e baixos níveis de potássio podem estar em risco de aumento da pressão arterial, que eleva o risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral.

O sódio, encontrado naturalmente em alimentos como laticínios e ovos, está presente em quantidades bem maiores nos produtos processados, como pão, carnes como bacon, refrigerantes, salgadinhos, doces, massas instantâneas, sopas, caldos em cubos e condimentos como molho de soja.

Já o potássio está presente em alimentos como feijão, legumes e frutas como banana e mamão. O processamento reduz a quantidade de potássio em muitos produtos alimentares.

Atualmente, a maioria das pessoas consome muito sódio e não o suficiente de potássio.

"A pressão arterial elevada representa grande risco para doença cardíaca e acidente vascular cerebral, a causa número um de morte e incapacidade no mundo. Estas diretrizes também se aplicam a crianças com mais de 2 anos de idade. Isto é crítico porque as crianças com hipertensão muitas vezes se tornam adultos com pressão arterial elevada", afirma diretor do Departamento de Nutrição para Saúde e Desenvolvimento da OMS, Francesco Branca.

As orientações são uma ferramenta importante para especialistas em saúde pública e formuladores de políticas conforme eles trabalham em suas situações específicas de cada país para tratar doenças não transmissíveis, como doenças cardíacas, derrame, diabetes, câncer e doenças respiratórias crônicas.

A OMS também está atualizando orientações sobre a ingestão de gorduras e açúcares associados à redução do risco de obesidade e doenças não transmissíveis.

Fonte:http://www.isaude.net

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Transtorno Generalizado de Ansiedade – TGA



O que é?

É uma condição psiquiátrica comum que afeta 4-7% da população. Caracteriza-se por um estado de preocupação crônica, exagerado e incontrolável associado a sintomas como agitação, tremores, suor, palpitações, fadiga, tensão muscular e dificuldades para dormir e se concentrar. É mais comum nas mulheres (7%) do que nos homens (4%) e a faixa etária mais acometida está entre os 45 e 59 anos. Fatores genéticos e ambientais estão envolvidos. 



Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é clínico e é feito quando os sintomas acontecem na maior parte do tempo, por pelo menos seis meses, em diferentes situações. É muito comum os pacientes darem mais atenção aos sintomas somáticos, o que leva à procura de várias especialidades médicas, o que muitas vezes dificulta o diagnóstico. Por outro lado, não se deve esquecer que condições clínicas, como o hipertiroidismo, devem ser descartadas, pois podem provocar sintomas comuns do TGA.

Quer saber mais?? AQUI!!!

Dicas para evitar o desperdício de alimentos




Prepare várias refeições e congele-as

O método mais sustentável para evitar o desperdício na cozinha é preparar, de uma só vez, todas as refeições que serão consumidas ao longo da semana. Isso porque armazenar a comida no congelador é mais simples do que cozinhar: a cada vez que uma receita é preparada, consomem-se grandes quantidades de água (na pia), energia (na geladeira, no microondas, nos liquidificadores e processadores) e gás (no fogão). Além de evitar o desperdício, quem cozinha tudo de uma vez poupa o tempo que gastaria preparando refeições no dia seguinte.

Reaproveite as sobras do almoço, os restos de fruta e o pão adormecido

Que tal usar as sobras do almoço no preparo do jantar? Reaproveitar a comida é uma das maneiras mais simples de evitar o desperdício de alimentos: o arroz pode virar um risoto, enquanto a carne e os legumes podem ser utilizados para preparar um caldo nutritivo.

Muitas frutas, verduras e legumes também podem ser aproveitados em totalidade: além de concentrarem um alto número de nutrientes, as cascas podem ser utilizadas em receitas muito saborosas. O maracujá, por exemplo, pode dar origem a um doce elaborado suas cascas.

Vale lembrar que é possível “dar vida nova” ao pãozinho do café do dia anterior: a massa pode ser utilizada para fazer torradas, rabanadas, pudins e até lasanhas. Se, mesmo assim, você não quiser se arriscar na cozinha, congele o pão adormecido – desta maneira, você poderá consumi-lo mais para frente.

Faça uma lista de compras e fique de olho na validade dos produtos

Antes de ir ao supermercado, anote tudo o que você precisará consumir nos próximos dias e marque a quantidade exata para ser comprada. Assim, você evita os impulsos de comprar itens desnecessários.

Outra dica é sempre ficar de olho na validade dos alimentos: se o prazo for curto, evite levar o produto para casa – pode ser que você não o consuma a tempo, fazendo com que seu destino certamente seja o lixo. Com informações do Ecodesenvolvimento.

Fonte:http://ciclovivo.com.br/

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

A Importância da Experimentação no Ensino de Ciências e Biologia.


Mesmo já tendo havido tantas mudanças no Ensino de Ciências e Biologia, ainda é possível notar que o processo educativo, em algumas instituições, é realizado conforme as concepções tradicionais onde o conhecimento é construído superficialmente e de forma mecânica e repetitiva. Mas, é inegável a importância da experimentação, pois esta permite um melhor entendimento do que acontece na Natureza, da evolução histórica do homem e por propiciar a construção do saber científico. A prática diversifica as aulas, torna o ensino mais dinâmico e prazeroso, permite que os alunos observem diretamente os fenômenos e organismos, manipulem materiais e equipamentos, enfim, proporcionam um contato mais palpável com o objeto estudado e consequentemente que o aluno seja capaz de construir seu conhecimento de forma lúdica e mais significativa, pois, conforme Freire (2006)” para compreender a teoria é preciso experienciá-la”.
As atividades experimentais devem ser elaboradas de forma a propiciar uma situação de investigação que permita a discussão e interpretação dos resultados obtidos. Além disso, espera do professor uma postura didática que assegure a compreensão dos conceitos fundamentais da Biologia e desafie os estudantes a questionar, argumentar de forma fundamentada, perceber contradições, construir coletivamente conhecimentos e valorizá-los, ponto fundamental no processo ensino-aprendizagem atual.
Para a execução das aulas práticas muitas dificuldades são encontradas, principalmente em escolas públicas, a citar a falta de estrutura e de materiais uma vez que a maioria das escolas não tem laboratórios e os professores acabam por “bancá-los’ o que já passa a ser um empecilho para a execução. Outro fator é o desinteresse dos alunos ou mesmo o número, pois a realidade nas escolas atualmente é de uma grande quantidade de alunos por turma. Existe também a questão da formação dos professores que muitas vezes não foram preparados para esse tipo de atividade. Mas é necessário buscar soluções para suprir essas deficiências/dificuldades, no intuito de proporcionar um ensino eficaz.


Fonte:
http://biologandonarede.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html
FREIRE. P. Pedagogia da autonomia. Rio de janeiro: Paz e Terra,
1997